21/04/2018

MORTE DO INFANTE CARDEAL (22 de Abril)

A 22 de Abril, ano de 1540, com trinta e um de idade morreu em Lisboa o Infante Cardeal, D. Afonso, filho dos Reis, D. Manuel, e D. Maria. O Papa Leão X lhe mandou o Capelo de Cardeal do título de Santa Luzia Inseptisolio, (título, que depois trocou pelo de S. Brás) tendo pouco mais de oito anos; coisa, de que não havia exemplo até então. Recebeu o Capelo nos Paços de Almeirim da mão do Bispo de Lamego, e Capelão mor, D. Fernando de Vasconcelos. Foi Prior mor da Santa Cruz de Coimbra, Abade de Alcobaça, Bispo de Targa, da Guarda, de Viseu, de Évora, e Arcebispo de Lisboa. Todas estas Igrejas administrou com grande exemplo, servindo-se para suplemento da sua presença de insignes Ministros. Era tão pontual nas obrigações pastorais, que assistia com grande frequência aos Ofícios Divinos no Coro: Administrava muitas vezes os Sacramentos, e levava o Santíssimo aos enfermos. Obrigou aos Párocos a que ensinassem, e ele por sua pessoa ensinava a Doutrina Cristã a seus Fregueses. Fez Sínodos em Évora, em que publicou as primeiras Constituições que teve. No que fez em Lisboa, introduziu nas Freguesias os livros dos Baptismos, Casamentos, e Óbitos, que até então não havia, e a seu exemplo os recebeu a Igreja Universal no Santo Concílio de Trento. Com os pobres era sumamente caritativo, e com todos generoso, e liberal [de liberalidade]. Era muito amigo da justiça, e do Culto Divino, e ornato das suas Igrejas, em que despendia uma grande parte das suas rendas. Foi protector dos homens letrados, que chamava das terras estranhas, e sustentava com grandes côngruas; e finalmente um modelo de perfeitos Prelados. Foi seu Mestre o insigne Aires Barbosa, natural de Aveiro, e saiu não vulgarmente douto: compôs em Latim a vida de seu décimo avô o Santo Rei D. Afonso Henriques, e outros tratados com sua elegância em proza e verso, dos quais se perderam muitos: Muitos ajuntou, e fez imprimir em avultado tomo o famoso André de Rezende.

Sem comentários: