15/05/2019

Fr. ELIAS DO VALLE (16 de Maio)


O Venerável Frei Elias do Valle, Português, foi Religioso da Santíssima Trindade no Convento de Cervo frigido em França, discípulo e companheiro do Patriarca São João da Mata, com o qual passou a Hespanha, e pelo mesmo mandado fundar na Cidade de Toledo o Convento da Santíssima Trindade, que é um dos melhores daquela Cidade, do qual foi seu primeiro Ministro Frei Elias do Vale, que depois de o ver acabado com grandeza, e perfeição, e enriquecido com rendas, privilégios, e sujeitos exemplares, morreu santamente neste dia [16 de Maio] de 1230. 

14/05/2019

O Príncipe DOM TEODÓSIO (15 de Maio)

Príncipe D. Teodósio
No mesmo dia, ano de 1653 com dezanove de idade, três meses, e sete dias, passou do Reino temporal ao eterno o Príncipe Dom Teodósio, filho dos Senhores Reis Dom João IV e D. Luiza. Foi jurado Príncipe herdeiro deste Reinos nas primeiras Côrtes, celebradas em Lisboa, depois da feliz Aclamação. ElRei seu pai, poucos tempos adiante, o nomeou Príncipe do Brasil, e foi o primeiro, que logrou este título, que depois se prosseguiu nos Primogénitos de Portugal, como nos de Castela, o de Príncipe das Astúrias; de Gales, nos de Grã-Bretanha; de Delfins, nos de rança. Desde menino começou o Príncipe (então Duque de Barcelo) a ser nas prendas da natureza, e no dotes da graça, um prodígio, não só singular, mas a toda a luz, admirável. De muito tenra idade já sabia de memória, e repetia nas línguas, Portuguesa, e Latina, os Mistérios da Fé, as Ladainhas dos Santos, e de nossa Senhora, o Credo da Missa, o Prefácio comum, e o Evangelho de São João, com outras Orações da Igreja, somente de as ouvir aos Sacerdotes. Já então eram as suas palavras mui medidas, as suas acções mui reguladas, as suas devoções contínuas, e fervorosas. Com os anos cresceu nas prendas, e virtudes, as mais próprias de um Varão muito reformado, e proveito. Assim vigiava na pontual observância dos preceitos divinos, que se afirma dele, que morreu com a graça batismal. Não só evitava os pecados graves, mas também dos leves, fazia rigoroso exame, e os sujeitava logo às chaves da Igreja no Sacramento da Confissão, que frequentava quase todos os dias; o da Comunhão, todos os Domingos, e dias Santos, e de maior solenidade, e em muitos particulares da sua da Mãe de Deus, e da Virgem Mártir, e Doutora Santa Catarina. Sonhou em uma ocasião, que via seu avô o Duque Dom Teodósio, e que este lhe dizia, que fosse muito devoto de S. João Evangelista, de quem ele o fora sempre: abraçou o Príncipe aquela sonha advertência com tantas veras, que este Santo era o singular emprego da sua devoção, e todos os anos celebrava a sua festa com soleníssimo aparato, e era chamada a festa do Príncipe. Ao amor das virtudes ajuntou o das ciências. Teve agudíssimo engenho, memória felicíssima, e contínua aplicação aos livros; partes, que bastaram a formar nele em pouco tempo um talento superior. Aprendeu a ler, e a escrever, antes de lhe darem mestre, só por um A. B. C. que lhe fez uma sua Aia, para lhe dar a conhecer as letras. Aprendeu no discurso de dois anos a língua Latina, e depois pelo uso, a falava com muita elegância, e facilidade. Teve largas notícias da Grega, e da Hebreia. Chegou a ser tão perito na Filosofia, e Teologia, que admirava (sem ser lisonja) aos homens mais doutos daquele tempo. Com muitos, e por muitas vezes entrava em questões altíssimas e já argumentando, já defendendo, era, não só admiração, mas inveja dos que melhor o faziam nas escolas. Até da Medicina, Direito Civil, e Canónico,  teve luzes não vulgares. Nas artes liberais, e ainda em muitas das mecânicas, foi insigne. Assim mesmo foi mui destro, e airoso no manejo da Cavalaria, e igualmente prático no jogo das armas. Sabia com eminência formar Exércitos, e delinear fortificações. Compôs na língua Latina livros mui eruditos, e curiosos de várias matérias. Um, que se intitula: "Aureum Seaculum", outro: "Macariopolis", nome Grego, que vale o mesmo que "Cidade Santa", outro: "História Universal do mundo", outro: "História do Reino de Suécia", outro: "De Sacramento Altaris", e dedicou, e mandou estes dois últimos à Rainha daquele Reino, com que teve estreita correspondência. Esta foi a esclarecidíssima Cristina, que depois com memorável exemplo, e nunca assaz admirada resolução, pôs aos pés do Vigário de Cristo o Cetro, e a Coroa. Sobre Religioso, e sábio, foi o nosso Príncipe excelentíssimo político, aprendeu esta grande arte, e a mais dificultosa, na lição das histórias, e muito mais no dictames de um alto juízo, e de uma excelente compreensão, e madura prudência, de que o Céu o dotara em tão verdes anos. De treze votava já no Concelho de Estado, e o seu voto era geralmente o melhor. Naquela ocasião fatal, em que os Príncipes Palatinos se refugiaram no Porto de Lisboa, fugindo da Armada Inglesa, que os seguia, requerendo o General Inglês, que lhe fossem entregues, houve grande debate, ente os Concelheiros, sobre a resolução, que se devia tomar em tão perigosa emergência. Mas o Príncipe tirou a dúvida, expedindo em discreto papel muitas razoes cheias e generosidade, e bizarria verdadeira Real, em que se esforçava a persuadir, (e persuadiu com efeito) que se devia antepor a observância da hospitalidade a todas as conveniências, e temores, que se representavam naquele caso. Vendo, que os negócios procediam lentamente, em grane dano (segundo parecia) da conservação do Reino, resolveu passar à campanha, onde foi recebido com extraordinário aplauso, e alvoroço, e começou a dispor as cousas com grande circunspecção, e perícia militar; revestiram-se os Soldados de novos brios, e prometiam ilustres operações; mas as ocorrências daqueles tempos, e os dictames de profundas razões de Estado, o fizeram voltar brevemente à Côrte, onde começou a exercitar o Supremo Império sobre todas as armas da Monarquia. Neste emprego achou mais trabalho, que satisfação, porque o ardor, em que se inflamava, era de campiar na testa do seu exercito, e segurar a defensa dos Países próprios, na invasão dos alheios. Já a este tempo o começava a combater uma prolixa, e perigosa enfermidade, com grande dor, e mágoa excessiva delRei, e de todo o Reino. ElRei o amava, e venerava mais que a filho: umas vezes lhe chamava Pai: outras, irmão mais velho: outras, o seu Salomão. Os Vassalos reconheciam na sua Real Pessoa cifradas as delícias, e as esperanças de Portugal. Sabia o Príncipe acariciar, e render os afectos, e corações de todos: para todos era afável, para todos liberal, para todos benéfico, generoso, brando, compassivo; mas todas estas prendas tão excelsas, e prerrogativas tão altas, cortou a morte em flor, no verdor dos anos, na primavera da vida. Dispôs-se para morrer, como se costumam dispor os Santos, e morreu como um deles, entre suavíssimos colóquios com Deus, e actos finíssimos de verdadeiro amor, e resignação. foi enterrado com Majestosa pompa no Real Templo de Belém, deixando perpetuamente gravadas nos bronzes da fama, e nos corações dos Portugueses, uma gloriosa memória, uma eterna saudade.

11/05/2019

A PRINCESA Sta. JOANA (12 de Maio)

Princesa Sta. Joana
No mesmo dia, ano de 1490 passou da vida transitória para a que não tem fim, a Princesa Santa Joana, filha dos Reis Dom Afonso I e D. Isabel: joia, a mais preciosa da Coroa Real Portuguesa, espelho claríssimo das heroicas virtudes, esclarecida cópia de inestimáveis perfeições: dotou-a o Céu de uma beleza tão rara, que excedia toda a comparação; vendo Luís XI de França um retrato seu, se diz, que posto de joelhos deu graças a Deus, por haver produzido uma criatura tão bela, e que logo deliberou pedi-la para esposa do Delfim seu filho; era porém altamente superior a beleza e formorusa da sua alma; desde os primeiros anos, esquecida dos divertimentos daquela idade, e com madureza da última, se deu a todos os exercícios da perfeição; rezava todos os dias o Ofício Divino, e o de nossa Senhora. Gastava também todos os dias muitas horas na Oração mental, acompanhada de lágrimas, e suspiros, que eram prova evidente, dos ardores, e afectos, em que se lhe desfazia o coração. Debaixo das ricas galas, a que a obrigava o estilo da Côrte, trazia uma áspera camisa de grossa estamenha, e um áspero Cilício: tomava repetidas disciplinas, e com tanta veemência, que chegava a derramar copioso sangue. Todas estas obras fazia com grande recato, que é a gala do merecimento, mas muitas vezes, não podiam fugir a tantos olhos, e tão vigilantes, de que sempre os Palácios costumam abundar. Tomou por empresa a Coroa de espinhos de seu Divino Esposo (a quem logo desde os primeiros anos consagrou a sua pureza) e por aquela Corca rejeitou a Imperial de Alemanha, e as Reais de França, e Inglaterra. Recolhida no muito virtuoso Convento de JESUS de Aveiro, viveu vestida no hábito de São Domingos quase dezoito anos, fazendo uma vida angélica, e puríssima, coroada com uma morte digna de tal vida, neste dia [12 de Maio] de 1490. Jaz sepultada no mesmo Convento. As muitas maravilhas, que Deus obrou, e ainda obra, por sua intercessão, lhe deram o título de Princesa Santa, que conservou desde que faleceu. O Papa Inocêncio XII a declarou Bem-aventurada, e lhe confirmo o culto imemorial em 4 de Abril de 1693.

10/05/2019

O VENERÁVEL Fr. ROQUE DO ESPÍRITO SANTO (11 de Maio)


O Venerável Frei Roque do Espírito Santo, natural da Vila de Castelo-Branco, Religioso da Sagrada Ordem da Santíssima Trindade, insigne em virtudes, e obras maravilhosas; viveu muitos anos em África, ocupado nas redenções dos Cativos, e participando das suas tribulações, em que os consolava, e socorria com portentosa Caridade: Resgatou mais de quatro mil: Os mesmos Mouros o veneravam profundamente, porque reconheciam nele um espírito mais que humano; por vezes se contentaram com a sua Correa, em penhor de grandes somas, que lhe ficava devendo, a que sempre satisfez com pontualidade, à custa da sua diligência, fructuosa sempre, pelo singular conceito, e estimação, que os Príncipes, e grandes de Portugal faziam das suas virtudes. Morreu santíssimamente neste dia [11 de Maio], ano de 1590. Foi sepultado com grande veneração, e universais aclamações de Santo no seu Convento de Lisboa.

09/05/2019

ROUBA-SE O SANTÍSSIMO EM ODIVELAS (10 de Maio)

Neste dia [10 de Maio], ano de 1671 que caiu na Dominga infra oitava da Ascensão, sucedeu o desacato do Senhor Sacramentado na Igreja Paroquial de Odivelas do termo de Lisboa, pelo qual se fizeram grande, e devidas demonstrações de sentimento em todo o Reino. Por conta da Nobreza da Corte de Portugal, corre ainda o desagravo que todos os anos se faz ao mesmo Senhor neste dia com grandes cultos, e adorações.

08/05/2019

Fr. LUIZ DA CRUZ (9 de Maio)


Frei Luiz da Cruz nosso Português, natural de Bragança, Religioso Menor da Província de São Gabriel em Castela. Foi varão doutíssimo, e claríssimo escritor: deu à estampa várias obras cheias de singular doutrina, e vasta erudição: subiu na sua Ordem aos mais eminentes lugares, e destinado para o suprema da mesma, acabou seus dias neste em que estamos, na Cidade de Saragoça de Aragão, ano de 1633. 

07/05/2019

ELEIÇÃO do SUMO PONTÍFICE INOCÊNCIO XIII (8 de Maio)

No mesmo dia [8 de Maio] ano de 1721 foi declarado Sumo Pontífice com satisfação de todos os Cardeais e de todas as Côrtes Católicas, o Cardeal Miguel Angelo Conti, Núncio Apostólico que havia sido muitos anos neste Reino, donde obteve a Púrpura, e era Protector do mesmo Reino na Cúria Romana. Pelo que, foi celebrada a sua exaltação Pontifícia em Lisboa com três dias de repiques, e luminárias, e com muitos aplausos Académicos. Tomou o nome de Inocêncio XIII e conservou o de Protector de Portugal. Morreu em 7 de Março de 1724 com 68 anos, 9 meses, e 21 dias de idade, havendo governado 2 anos, e 10 meses a Igreja Católica. 

06/05/2019

Pe. BALTAZAR ÁLVARES (7 de Maio)

Baltazar Álvares, natural de Chaves, da Companhia de Jesus, Doutor egrégio na Sagrada Teologia, Lente de Prima, e Cancelário da Universidade de Évora, compôs um Tratado de Anima separata, que se imprimiu no Curso Conimbricense, e a grande Obra do Expurgatório Lusitano dos livros proibidos desde Lutero até o seu tempo, impresso por ordem, e autoridade do ilustríssimo D. Fernão Martins Mascarenhas Bispo Inquisidor Geral dos Reinos de Portugal. Expediu também alguns volume spóstumos do grande Soares Granatense. Morreu em Coimbra neste dia [7 de Maio], ano de 1618.

05/05/2019

IDÁCIO, Bispo C. (6 de Maio)

Sé de Lamego
Idácio, Português, Bispo de Lamego, depois Arcebispo de Braga, Prelado insigne, e Escritor famoso: por sua rara humildade se chamava, e assinava o Pecador; mas as suas sngulares virtudes, e grandes letras o faziam conhecido, e estimado em toda a Igreja, e S. Leão Papa I do nome o tratava com grande familiaridade, e públicas estimações, e o nomeou Presidente no Sínodo de Celenas, onde foram confutados os erros de Prisciliano, e comprovadas com irregrafáveis fundamentos as verdades da Fé, pela qual o Santo Bispo padeceu grandes tribulações. Compôs uma Cronologia, que começa desde o primeiro ano do Consulado de Teodósio, e contém tudo o que sucedeu no mundo no espaço de cento e vinte anos. Compôs também os Fastos Consulares desde Aureliano Augusto, até a morte de Honório. Cheio de virtudes, e boas obras, passou neste dia [6 de Maio] a lograr o prémio delas, ano de 494.

04/05/2019

S. SILVANO, Mártir (5 de Maio)

São Silvano, também como o do dia precedente, da Ilustríssima família dos Silvas em Portugal, passou a Roma, onde padeceu neste dia [5 de Maio] cruel martírio, imperando Maximino, na sexta perseguição da Igreja Católica.

03/05/2019

S. MARINA, V. (4 de Maio)

Ruínas do Convento de Sta. Marina, Salamanca
Santa Marina, foi natural da Vila do Mogadouro em Portugal; a luz do desengano, e o desprezo das vaidades a levou a um sítio muito áspero, e solitário, não longe de Salamanca, onde, separada de todo o trato humano, fez vida santíssima. Por sua morte foi convertido aquele lugar em um insigne Convento da Sagrada Religião dos Menores, dedicado à mesma Santa, onde descansa seu corpo, e se festeja com grande colenidade neste dia [4 de Maio].

02/05/2019

S. Fr. ZACARIAS (3 de Maio)

Convento de S. Francisco, Alenquer (Portugal)
O Santo Fr. Zacarias, natural de Roma, um dos primeiros Discípulos, e companheiros de São Francisco, e singular imitador de suas virtudes, veio a Portugal, e fundou  o , e segundo de sua Ordem neste Reino; Convento insigne, e célebre, pela bênção, que lhe lançou o Santo Patriarca, assegurando, que sempre haveria nele Religiosos Observantes da sua Regra, e da aprovada vida; floresceu o Santo Zacarias, em virtudes, e milagres, e neste dia [3 de Maio], ano de 1249 acabou gloriosamente a carreira mortal. Jaz no seu Convento de Alenquer com venerações de Santo.