05/09/2017

HISTÓRIA DOS MILAGRES DO ROSÁRIO (IX)

(continuação da VIII parte)

Milagre Com Que se Prova a Devoção do Rosário Ser Muito Aceito a Deus, e Por ela Mudar os Corações e Fazer dos Inimigos, Amigos.

- Deixarei muitas razões - disse Anselmo - para o provar, somente vos quero contar um milagre, que tem acontecido a dois homens que tiveram um negócio [assunto, situação, caso] semelhante a este vosso, com que satisfarei a vossa pregunta, a qual está recebido por muito certo de todos os que bem entendem, e não há nele que duvidar.
Contam os autores do Rosário, que sendo Pontífice Romano Xisto IV, no ano de 1475 na cidade de Colónia, que é na Alemanha, houve um homem muito devoto da mãe de Deus, o qual com a devoção que podia, rezava cada dia o seu Rosário. Este numa briga que teve com outro, o matou: tinha-o morto um irmão, que desejava muito vingar sua morte, matando ao matador. Este devoto da Senhora, fazendo um dia certo caminho, passando por um Mosteiro da ordem de S. Domingos, lembrou-se que naquele dia não tinha rezado o Rosário: entrou na Igreja, e pondo-se de joelhos, que é a própria composição do corpo, para orar diante da santíssima virgem, começou a rezar o seu Rosário com muita devoção. O seu contrário que não perdia ora nem ponto, e em todas as partes o esperava, o veio seguindo até entrar na igreja onde estava, e ali o esperou muito tempo, e depois de bem enfadado, entrou nela, e achou que seu inimigo estava rezando diante da imagem da Rainha do mundo, e juntamente viu uma maravilhosa visão, porque viu a uma senhora mui fermosa, e de grande majestade que tomava rosas brancas e vermelhas, que lhe saiam da boca, e logo desapareceu. Como o que o desejava matar viu coisa tão nova e estranha, parecendo-lhe que devia ser algum grande mistério, deixou as armas, e foi-se onde estava o matador de seu irmão ele vendo-o chegar, ficou todo turbado, e sobressaltado, quando que também o queria matar: mas ele o abraçou com muito grande alegria, e dando-lhe sinal de paz, o assegurou, que não lhe faria mal, ante lhe perdoava a morte de seu irmão, e lhe pediu perdão da inquietação e desassossego, que então lhe tinha dado: mas que lhe dissesse, que senhora era aquela que estava diante dele, e lhe pusera na cabeça uma grinalda de rosas brancas e vermelhas? O devoto da Virgem afirmou que não tinha visto coisa alguma daquelas que dizia. Rogou-lhe que ao menos lhe descobrisse que oração era aquela que rezava, porque entendia que havia de ser mui aceita à Mãe de Deus? Disse-lhe então o devoto da Virgem, que lhe rezava o seu santo Rosário. Vendo o homem todas estas coisas, propôs de sempre rezar o Rosário, e deu muitas graças ao homem, que queria matar, porque por sua ocasião se fazia devoto da Virgem nossa Senhora.
Vedes aqui senhor Dom Heitor a grande virtude que tem esta santa devoção do Rosário, para tirar os ódios, e más vontades, e para fazer abaixar a cólera quando a houver, porque estes dois homens, que andavam tão arruinados no amor que se deviam ter, por virtude do santo Rosário se fizeram amigos, e se os que andam em ódio, e em desejos de vinganças, tomassem esta devoção de cada dia o rezar, ela é tão poderosa, quer a uns livraria da morte do corpo, e a outros da morte da alma.

- Sem falta - disse o fidalgo- fico persuadido a todos os dias de minha vida também o rezar, e fazer que todos o rezem em minha casa, pois por ele Deus me fez tão grande mercê.

Depois de acabada esta prática, chamou Anselmo aos  companheiros, Marcelo e Eusebio, que ainda estavam rezando diante da imagem da Senhora, e deu-lhes conta de tudo o que tinha passado e como Deus ouvira suas orações, pois tinha mudado aquele homem do mau propósito que levava. Marcelo o levou nos braços, como conhecido e amigo que era de todos, e se alegrou em extremo de todo este bem, que lhe viera e acrescentou mais, que para que fosse mais perfeito, era necessário que se confessasse do mau propósito que levava, dizendo-lhe que ainda que se dessa do pecado, é necessário fazer penitência da culpa passada o que ele como homem de muito bom entendimento, e juízo alcançou, prometendo que assim  o faria, e que logo o fizera com ele, senão estivera de caminho: e despedindo-se de todos com muito amor, foram adiante muito alegres por Deus haver dado tão bom princípio a sua peregrinação, tendo esperança de achar outros semelhantes sucessos, como veremos no decurso desta história.

(a continuar)

01/09/2017

LIVROS II (parte A)

(continuação do anterior, LIVROS I)

O Pedro Oliveira tem um novo canal chamado PEDRO de OLIVEIRA, o qual recomendo bastante aos meus leitores. O FIDELISSIMUS publicou o LIVROS I, e aqui o LIVROS II (parte A). Neste vídeo, ele não se limita a fazer a mostra de livros, pois comenta alguns de forma interessante.

Eu preparei uma lista com ligação para as partes mais importantes do vídeo:

1 - Início (explicação) (00:00)
2 - Ideias que os espanhóis têm dos portugueses, etc. (1:35)
3 - O Espanhol e os Sete Pecados Capitais (5:54)
4 - A Capela de S. João Baptista (7:30)
[o vídeo é interrompido, e têm que pular para o LIVROS II (parte B)]


(continuação, LIVROS II (parte B))

31/07/2017

O QUE DEUS COLOCA A CADA UM - O CONHECIMENTO

"Não procures saber o que excede a tua capacidade, e não especules o que ultrapassa as tuas forças, mas pensa sempre no que Deus te mandou, e não tenhas a curiosidade de conhecer demasiado número das suas obras."
 
(Eclesiástico, III, 21)

22/07/2017

Revelações a Sta. Brígida - PERMISSÃO DA EXISTÊNCIA DE MALVADOS


Palavras do Criador à esposa sobre como sua justiça mantém os malvados na existência por uma
tríplice razão
Eu sou o Criador do Céu e da Terra. Perguntavas-te, esposa minha, porque sou tão paciente com os malvados. Isso se deve ao facto de que sou misericordioso. Minha justiça os aguenta e minha misericórdia os mantêm por uma tríplice razão. [1]Em primeiro lugar, minha justiça os aguenta de forma que seu tempo se complete até o final. Poderias perguntar a um rei justo porque tem alguns prisioneiros aos quais não condena à morte e sua resposta seria: "Porque ainda não chegou o tempo da assembleia geral da corte na qual possam ser ouvidos e onde, aqueles que os ouvem, podem tomar maior consciência". De forma parecida, eu tolero os malvados até que chegue seu tempo, de maneira que sua maldade possa ser conhecida por outros também. Já não previ a condenação de Saul muito antes que se desse a conhecer aos homens? O tolerei durante longo tempo para que sua maldade pudesse ser mostrada a outros. [2] A segunda razão é que os malvados fazem alguns bons trabalhos pelos quais hão de ser compensados até o último centavo. Desta forma, nem o mínimo bem que tenham feito por mim ficará sem recompensa e, consequentemente, receberão seu salário na terra. [3] Em terceiro lugar, os aguento para que se manifeste assim a glória e a paciência de Deus. É por isso que tolerei Pilatos, Herodes e Judas, apesar de que iam ser condenados. E se alguém perguntar por que tolero a tal ou qual pessoa que se lembrem de Judas e Pilatos.

Minha misericórdia mantém os malvados também por uma tríplice razão. [1] Primeiro, porque meu amor é enorme e o castigo é eterno e muito grande. Por isso, devido ao meu grande amor, os tolero até o último momento para retardar seu castigo o mais possível na extensa prolongação do tempo. [2]Em segundo lugar, é para permitir que sua natureza seja consumida pelos vícios, pois experimentariam uma morte temporal mais amarga se tivessem uma constituição jovem. A juventude padece uma maior e mais amarga agonia na hora da morte. [3] Em terceiro lugar, pela melhora das boas pessoas e a conversão de alguns dos maus. Quando as pessoas boas e rectas são atormentadas pelos perversos, isso beneficia os bons e justos, pois lhes permite resistir ao pecado ou conseguir um maior mérito. Igualmente, os maus, às vezes, tem um efeito positivo nas outras pessoas perversas. Quando esses últimos reflectem sobre a queda e maldade dos primeiros, dizem a si mesmos: "De que nos serve seguir seus passos?" E: "Se o Senhor é tão paciente, será melhor que nos arrependamos". Desta forma, às vezes voltam a mim porque temem fazer o que fazem os outros e, além disso, sua consciência lhes diz que não devem fazer esse tipo de coisas. Dizem que, se uma pessoa foi picada por um escorpião, pode-se curá-la quando se a unte com azeite no qual haja outro escorpião morto. De forma parecida, às vezes uma pessoa malvada que vê a outra cair pode ver-se atingida pelo remorso e curada, ao reflectir sobre a maldade e vaidade do outro. (das revelações e profecias de Sta. Brígida da Suécia, liv. I, cap. XV)

01/06/2017

O BOM COSTUME VEM DA VIRTUDE

[aviso: o Santo Zelo prefere usar a língua portuguesa de forma ágil, porque é um blog brasileiro, sem deixar de ser um blogue português. Por exemplo na palavra "ação" eu prefiro escrever "acção"; o "c" não se lê e serve apenas para abrir a sonoridade do "a" anterior, tal como falamos]
A reverência e o cumprimento
A civilidade cristã é virtuosa, não é de qualidade puramente humana; pois, praticada segundo o espírito de Cristo, e neste espírito conduzida, orienta-se à glória de Deus e verdadeiro proveito do próximo. As nossas acções exteriores, que são as únicas que podem ser regulamentadas pela cortesia, como disse S. João Batista de La Salle, devem ser a expressão da própria virtude.
A justiça na diferença
Segundo o desenvolvimento dos códigos da civilidade cristã, a caminhada gradual teve seu ponto mais elevado no século XVIII quando foi começada também a sua queda (conforme o poder nos reinos era ocupado pela agenda Liberal).
S. João de La Salle
É valorosa a civilidade, em reconhecimento e usufruto da nobreza da filiação divina obtida em Jesus Cristo Senhor Nosso, ao passo que a civilidade apenas humana assenta na vaidade e mero pragmatismo. Nestas considerações, devemos dar um valor elevado ao bom uso das nossas faculdades espirituais, e inclinar as nossas intenções e acções com um caráter não apenas temporário, mas principalmente eterno; e para a edificação do próximo. Assim, o código de civilidade foi evoluindo e respondendo ao crescimento da sociedade cristã, que teve o seu auge de complexificação no século XVIII, quando começa ao mesmo tempo a decair (como já referi).

Sem receios, podemos dizer que a verdadeira civilidade é a cristã.