30/04/2018

A IMPERATRIZ D. ISABEL (1 de Maio)

No mesmo dia [1 de Maio] em quinta-feira, ano de 1539 morreu em toledo a Augustíssima Senhora D. Isabel Infante de Portugal, Rainha de Castela, Imperatriz de Alemanha: Foi dotada de rara formosura, e de igual honestidade, e modéstia. Mostrou grande quilates de prudência, e madureza nas ocasiões, em que governou Hespanha, nas ausências do imperador Carlos V seu marido: A sua casa era uma escola de virtudes, donde saíram muitas insignes Matronas, que honraram Castela, e Portugal; quais foram D. Beatriz da Silveira, D. Guiomar de Mello, D. Leonor Mascarenhas; e com maiores vantagens, D. Leonor de Castro, Duqueza de Gandîa mulher do Duque Dom Francisco (depois São Francisco) de Borja, em quem o mesmo Santo admirou sempre singulares exemplos de perfeito de um e outro abraçaria a vida Religiosa. No primeiro parto, que teve a Imperatriz se viu em grande tribulação, e a mulher, que lhe assistia, lhe disse, que naquele aperto, era conveniente romper em altas vozes; ao que a Imperatriz respondeu na língua Portuguesa, e como Portuguesa daqueles tempos, nas quais se competiam a gravidade com a modéstia: "Não me digais tal, minha Comadre, que morrerei, e não gritarei"; procedeu-lhe a morte, de um mau parto. Teve três filhos, e duas filhas, D. Fernando, e D. Carlos, que morreram meninos: Dom Felipe [II], que sucedeu nos Reinos de Hespanha: Dona Joana, Princesa de Portugal, mãe de ElRei D. Sebastião; D. Maria, mulher do Imperador Maximiliano II que foi filha, nora, mulher, e mãe de cinco Imperadores, e morreu no Convento das Descalças de Madrid, com grande fama de Santidade. A rara beleza da nossa Imperatriz, assim como fora na vida enleio da admiração, assim (trocada na morte) foi incentivo ao desengano; por ela (em grande parte) vemos nos altares um S. Francisco de Borja: porque sendo Conductor do Imperial cadáver, que logo determinou fazer outra na vida, trocando pela humildade, e estreiteza da Religião, as grandezas, e vaidades do mundo.
Conversão do Duque de Gandia (S. Francisco de Borja) - exéquias da imperatriz Isabel de Portugal.

Sem comentários: