05/09/2017

HISTÓRIA DOS MILAGRES DO ROSÁRIO (IX)

(continuação da VIII parte)

Milagre Com Que se Prova a Devoção do Rosário Ser Muito Aceito a Deus, e Por ela Mudar os Corações e Fazer dos Inimigos, Amigos.

- Deixarei muitas razões - disse Anselmo - para o provar, somente vos quero contar um milagre, que tem acontecido a dois homens que tiveram um negócio [assunto, situação, caso] semelhante a este vosso, com que satisfarei a vossa pregunta, a qual está recebido por muito certo de todos os que bem entendem, e não há nele que duvidar.
Contam os autores do Rosário, que sendo Pontífice Romano Xisto IV, no ano de 1475 na cidade de Colónia, que é na Alemanha, houve um homem muito devoto da mãe de Deus, o qual com a devoção que podia, rezava cada dia o seu Rosário. Este numa briga que teve com outro, o matou: tinha-o morto um irmão, que desejava muito vingar sua morte, matando ao matador. Este devoto da Senhora, fazendo um dia certo caminho, passando por um Mosteiro da ordem de S. Domingos, lembrou-se que naquele dia não tinha rezado o Rosário: entrou na Igreja, e pondo-se de joelhos, que é a própria composição do corpo, para orar diante da santíssima virgem, começou a rezar o seu Rosário com muita devoção. O seu contrário que não perdia ora nem ponto, e em todas as partes o esperava, o veio seguindo até entrar na igreja onde estava, e ali o esperou muito tempo, e depois de bem enfadado, entrou nela, e achou que seu inimigo estava rezando diante da imagem da Rainha do mundo, e juntamente viu uma maravilhosa visão, porque viu a uma senhora mui fermosa, e de grande majestade que tomava rosas brancas e vermelhas, que lhe saiam da boca, e logo desapareceu. Como o que o desejava matar viu coisa tão nova e estranha, parecendo-lhe que devia ser algum grande mistério, deixou as armas, e foi-se onde estava o matador de seu irmão ele vendo-o chegar, ficou todo turbado, e sobressaltado, quando que também o queria matar: mas ele o abraçou com muito grande alegria, e dando-lhe sinal de paz, o assegurou, que não lhe faria mal, ante lhe perdoava a morte de seu irmão, e lhe pediu perdão da inquietação e desassossego, que então lhe tinha dado: mas que lhe dissesse, que senhora era aquela que estava diante dele, e lhe pusera na cabeça uma grinalda de rosas brancas e vermelhas? O devoto da Virgem afirmou que não tinha visto coisa alguma daquelas que dizia. Rogou-lhe que ao menos lhe descobrisse que oração era aquela que rezava, porque entendia que havia de ser mui aceita à Mãe de Deus? Disse-lhe então o devoto da Virgem, que lhe rezava o seu santo Rosário. Vendo o homem todas estas coisas, propôs de sempre rezar o Rosário, e deu muitas graças ao homem, que queria matar, porque por sua ocasião se fazia devoto da Virgem nossa Senhora.
Vedes aqui senhor Dom Heitor a grande virtude que tem esta santa devoção do Rosário, para tirar os ódios, e más vontades, e para fazer abaixar a cólera quando a houver, porque estes dois homens, que andavam tão arruinados no amor que se deviam ter, por virtude do santo Rosário se fizeram amigos, e se os que andam em ódio, e em desejos de vinganças, tomassem esta devoção de cada dia o rezar, ela é tão poderosa, quer a uns livraria da morte do corpo, e a outros da morte da alma.

- Sem falta - disse o fidalgo- fico persuadido a todos os dias de minha vida também o rezar, e fazer que todos o rezem em minha casa, pois por ele Deus me fez tão grande mercê.

Depois de acabada esta prática, chamou Anselmo aos  companheiros, Marcelo e Eusebio, que ainda estavam rezando diante da imagem da Senhora, e deu-lhes conta de tudo o que tinha passado e como Deus ouvira suas orações, pois tinha mudado aquele homem do mau propósito que levava. Marcelo o levou nos braços, como conhecido e amigo que era de todos, e se alegrou em extremo de todo este bem, que lhe viera e acrescentou mais, que para que fosse mais perfeito, era necessário que se confessasse do mau propósito que levava, dizendo-lhe que ainda que se dessa do pecado, é necessário fazer penitência da culpa passada o que ele como homem de muito bom entendimento, e juízo alcançou, prometendo que assim  o faria, e que logo o fizera com ele, senão estivera de caminho: e despedindo-se de todos com muito amor, foram adiante muito alegres por Deus haver dado tão bom princípio a sua peregrinação, tendo esperança de achar outros semelhantes sucessos, como veremos no decurso desta história.

(a continuar)

Sem comentários: