01/06/2017

O BOM COSTUME VEM DA VIRTUDE

[aviso: o Santo Zelo prefere usar a língua portuguesa de forma ágil, porque é um blog brasileiro, sem deixar de ser um blogue português. Por exemplo na palavra "ação" eu prefiro escrever "acção"; o "c" não se lê e serve apenas para abrir a sonoridade do "a" anterior, tal como falamos]
A reverência e o cumprimento
A civilidade cristã é virtuosa, não é de qualidade puramente humana; pois, praticada segundo o espírito de Cristo, e neste espírito conduzida, orienta-se à glória de Deus e verdadeiro proveito do próximo. As nossas acções exteriores, que são as únicas que podem ser regulamentadas pela cortesia, como disse S. João Batista de La Salle, devem ser a expressão da própria virtude.
A justiça na diferença
Segundo o desenvolvimento dos códigos da civilidade cristã, a caminhada gradual teve seu ponto mais elevado no século XVIII quando foi começada também a sua queda (conforme o poder nos reinos era ocupado pela agenda Liberal).
S. João de La Salle
É valorosa a civilidade, em reconhecimento e usufruto da nobreza da filiação divina obtida em Jesus Cristo Senhor Nosso, ao passo que a civilidade apenas humana assenta na vaidade e mero pragmatismo. Nestas considerações, devemos dar um valor elevado ao bom uso das nossas faculdades espirituais, e inclinar as nossas intenções e acções com um caráter não apenas temporário, mas principalmente eterno; e para a edificação do próximo. Assim, o código de civilidade foi evoluindo e respondendo ao crescimento da sociedade cristã, que teve o seu auge de complexificação no século XVIII, quando começa ao mesmo tempo a decair (como já referi).

Sem receios, podemos dizer que a verdadeira civilidade é a cristã.

Sem comentários: